quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Capítulo 18 - Chocolate em falta

Capítulo 18
Chocolate em falta
- Dan Jerson

-Que tal fazermos uma noite do cinema? - minha mãe perguntou pulando na frente da tevê.
- Não me importo - Max falou meio mal humorado, desde ontem do incidente no jogo ele estava assim. Já está me enchendo, o Max é aquele tipo de pessoa que prefere guardar as coisas para ele e só fala as coisas para quem confia, se ele não me falou nada a coisa está feia.
- Qual é o filme? - perguntei para alegrar minha mãe.
- Star Trek? - ela perguntou sorrindo.
- Perfeito, mãe, vamos fazer algo para comer - falei me levantando.
- Eu ajudo - Max falou se levantando e se apoiando nos ombros da minha mãe indo em direção a cozinha, só para ficar sentado na cadeira vendo eu e minha mãe trabalharmos.
- Não tem chocolate para colocar na pipoca - minha mãe falou mexendo no armário -, alguém vai ter que ir ao mercado.
- Eu não, você sim - Max exclamou apontando em minha direção enquanto comia uma parte da pipoca que já estava pronta.
- Ok - falei desanimado. Subi para meu quarto e peguei uma jaqueta que estava pendurada na ponta do armário, eu não tinha a mínima ideia de quem era aquela jaqueta.
Desci à escada ajeitando a pequena gola da jaqueta.
- Essa jaqueta é minha, sabia? - Max falou me olhando da cozinha.
- Acabei de descobrir - falei pegando as chaves do carro da minha mãe, eu tinha, ainda na outra escola, começado as aulas de direção. Por enquanto tenho apenas a carteira provisória, mas logo terei minha carteira permanente.
- Nem pense em pegar as chaves do meu carro - Max gritou da cozinha. Eu nem tinha pensado, mas como ele sugeriu meus pensamentos.
- Tarde demais - peguei as chaves e sai o mais rápido possível de casa e me enfiei na garagem, entrei no carro de Max e fui embora.

O mercado era bem perto indo de carro, cheguei bem rápido. Fui para aquela sessão que encontramos pipoca e tive que passar antes pela sessão de bebidas. Vi uma garota com o cabelo tampando a cara toda abaixada vendo as bebidas, ela chegou um pouquinho para frente perdendo todo o equilíbrio e caiu de bunda no chão. Ela começou a rir histericamente, quando ela colocou os cabelos para trás eu vi que era a Sofia.
Nesse um mês que a conheço ela já tinha me dito que odiava bebidas, nunca ia para perto de bebidas e eu sempre a via com os cabelos para trás. Ela dizia que a felicidade sempre tem que estar estampada no rosto, assim ela gostava de mostrar sua alegria sempre presente em seu rosto, mesmo que fosse pouca. Por isso me contagiei com sua personalidade, me apaixonei pelo jeito dela.
- Sofia? - perguntei me aproximando.
- Eu - ela falou procurando quem tinha a chamado, ela me achou e levou um susto depois abriu um sorriso, mas aquele sorriso não era igual aos que eu adorava ver todas as manhãs - Dan - ela falou tentando se levantar sem sucesso, nem de salto ela estava, mas mesmo assim não conseguiu se levantar.
Fui até ela e a levantei colocando meus braços enrolados em sua cintura, ela cheirava a álcool puro.
- Como você é forte - ela falou segurando meu braço -, muito mesmo - ela sorriu para mim, o que fez eu inalar mais álcool.
- Valeu - agradeci a soltando, nesse ato ela quase caiu de novo e eu voltei à segura-la - O que houve com você?
- Festa, meu amor - ela disse me abraçando -, na minha casa, o imbecil do Jake deu. Aí eu aproveitei para festejar!
- Festejar o que?
- Minha derrota - ela se virou de frente para min e vi um sorriso forçado encharcado de lágrimas - Ele venceu, Dan, ele conseguiu tudo que eu desejava, tudo que eu amava e todos que eu amo.
- Quem? - falei com a mão direita em seu rosto secando suas lágrimas.
- Jake - ela disse acariciando minha mão que se encontrava em seu rosto -, ele conseguiu.
Ela desmaiou nos meus braços logo após falar isso. O que eu iria fazer? Tentei ligar para o Max e o celular dele deu ocupado, imaginei que não seria uma boa ideia ligar para minha mãe. Foi aí que pensei na única pessoa que eu confiava e que era amiga tanto da Sofh quanto minha, a Blair.
Coloquei um braço da Sofh em meu ombro e fui para fora do mercado, só não a peguei no colo por que seria muito estranho eu saindo de um mercado carregando uma garota desmaiada, pensariam que eu sou um psicopata, quero continuar com a fama do garoto novo na cidade.
Coloquei-a no banco de trás, pus o cinto nela e tentei deixa-la confortável. Entrei no carro e tentei não errar a casa da Blair.
Peguei Sofh no colo e ela acordou.
- Oi, Dan, sonhei com você - ela disse rindo e encostando a testa na minha bochecha.
- É mesmo? - perguntei enquanto fechava a porta do carro com ela em meus braços.
- Ãrrã - ela afirmou que nem uma criança quando fala que não foi culpada de uma coisa que todos sabem que foi.
- Eu sonhei que você... - ela parou e olhou para os lados - ...me beijava - tentou sussurrar, ela chegou perto do meu ouvido - Eu adorei - ela começou a rir e enrolou um braço em meu pescoço.
Fiquei meio bobo com aquilo, mas tentei me concentrar na porta da Blair e não na Sofia que estava respirando e rindo em meu pescoço.
Apertei a campainha levantando de leve o braço o que fez Sofh escorregar um pouco para o outro lado, ela se encolheu e riu.
- Seus braços são tão confortáveis quanto o do meu pai - ela disse em meu ouvido -, mas não são iguais.
Eu senti o sorriso dela se formar em seus lábios que ainda estavam encostados em meu pescoço.
Foquei-me novamente na porta que ainda estava fechada, apertei novamente a campainha.
- Eu conheço esse lugar - Sofh saiu de meu pescoço e começou a se concentrar ao nosso redor. Blair abriu a porta toda de uma vez só.
- Oi, Blairzinha - Sofia disse sorrindo e se segurando mais forte em meu pescoço.
Blair olhou para mim confusa.
- Me ajuda? - perguntei meio desesperado.
- Entra - ela falou ainda confusa, eu entrei com Sofh rindo em meu colo. - O que aconteceu?
- Parece que Jake está fazendo uma festa e Sofia encheu a cara – expliquei.
- Você acha que minha cara tá inchada, Dan? - Sofh me perguntou colocando as mãos no rosto.
- Não, está perfeita com sempre - falei me virando para Blair que tinha uma cara típica de que ouviu o que queria, mas não deveria.
- O quê? - eu perguntei.
- Nada - ela me respondeu - Vai para o banheiro, taca ela no chuveiro e liga no frio para ela dar uma acordada maneira.
- Como eu um GAROTO - falei, não, eu realmente gritei - VOU COLOCAR ELA NO CHUVEIRO?
- COLOCANDO - ela gritou indo em direção a sua cozinha no final do corredor, como se fosse ridícula minha pergunta e depois virou para mim - com roupa e tudo, Dan - ela falou e sorriu.
- Valeu - falei, coloquei meu celular na mesinha que tinha perto da porta e segui para o banheiro que Blair indicou enquanto ia para a cozinha.
Abri a porta do banheiro, acendia a luz e Sofh ria para mim.
- Que foi? - a coloquei em pé dentro do box.
- Nada - ela respondeu sorrindo.
Aí ela parou de sorrir quando eu liguei o chuveiro na água fria.
- DAN - ela gritou - TÁ FRIO, SEU FEIO.
- Ãrrã – concordei.
- Aqui está um... - quando Blair ia terminar de falar o que tinha na xícara que estava em sua mão ouvimos um barulho de vomito. Sofh estava com a tampa do vaso levantada vomitando muito, nesses momentos agradeço por não ter nojo de quase nada.
- ...café - Blair completou devagar - Vou sair daqui se não vou vomitar também, mas antes - ela pegou uma escova de dente no armário do banheiro - Escova os dentes antes de tomar o café, ok?! – ela implorou e saiu do banheiro deixando a porta fechada.
- Desculpa - Sofh falou se levantando e fechando a tampa do vaso e se sentando nela -, eu fui uma estúpida.
Ela se levantou e foi em direção a escova de dente, pegou o creme dental e deu uma escovada rápida enquanto eu a observava. Depois pegou a xícara de café e se sentou no chão, me sentei ao lado dela.
- O que aconteceu, exatamente?
- O Jake me chantageada já faz algum tempo - ela começou parecendo que iria chorar - Eu amo o ballet e meus pais não sabem, eles querem que eu siga a carreira de advocacia. Mas o Jake descobriu, e fica me chantageando com isso, mas hoje foi a gota d' água. - ela falou passando a mão nos olhos para tentar limpar as lágrimas - Ele falou para eu me afastar de você e eu não quero.
Ela terminou chorando e vindo me abraçar.
- Mas eu fui uma fraca achando que a bebida iria me fazer esquecer um pouco de tudo, mas não adiantou nada. - ela disse com a cabeça enterrada em meu peito enquanto eu acariciava sua cabeça.
- Você não é assim, Sofia - falei a afastando o suficiente apenas para enxergar seus olhos esverdeados - Você não precisa de nada para fazer te esquecer dos seus problemas, lute contra eles. Você não está sozinha, ouviu?! - eu disse segurando seu rosto. Ela me olhou com os olhos ainda lacrimejando e me beijou, um beijo rápido, apenas um encostar de lábios.
Ela se afastou e se assustou com o próprio feito.
- Desculpa, Dan - ela disse tentando se levantar -, eu não quer...
Eu a interrompi a puxando para mim e lhe dando um beijo de verdade, sua boca ainda estava amarga pela bebida, mas eram os mesmos lábios que eu queria tocar o mês inteiro, que eu queria saber como era e desvendar cada mistério. Era a Sofia e isso que importava. Segurei seu rosto e ela se afastou um pouco ainda com os olhos fechados.
Ela sorriu ao abrir os olhos e ver que era eu, o olhar dela parecia que tinha medo de abrir os olhos e perceber que era apenas um sonho.
- Se você gosta de ballet - falei ainda segurando seu rosto - lute por isso, e eu vou te ajudar no que for preciso - falei encostando minha testa na dela.
- E se eu quiser fazer outra coisa? - ela me perguntou com o olhar preocupado.
- Não me importo com o que você quer fazer, contanto que esteja feliz e eu esteja ao seu lado, não ligo se quiser fritar hambúrguer na estrada. - ela riu com meu comentário - Contanto que esteja assim, sorridente e comigo - falei aproximando mais nossos rostos - eu vou ficar satisfeito.
Ela sorriu e me beijou de novo, agora correspondendo ao meu beijo. Será que a parada do sonho era verdade? Será que esse mês ela tinha sonhado em me beijar? Eu quero muito saber a resposta, mas isso aqui não pode ser de jeito nenhum um sonho.
- A Sofh está...melhor? - Blair perguntou entrando no banheiro e interrompendo nosso beijo - Vejo que sim - disse rindo e fechando a porta.
- Blair, espera! - Sofh chamou, ela reabriu a porta e colocou apenas a cabeça para dentro do banheiro - Obrigada por me ajudar!
- Não foi nada, menina - ela falou rindo - Mas nunca, nunca, mais faça isso - ela falou séria e depois sorriu antes de sair.
- Seus pais estão viajando? – perguntei após Blair fechar a porta do banheiro.
- Sim - ela me respondeu fazendo um coque no cabelo -, eles chegam amanhã de manhã.
- Então amanhã - falei segurando sua cintura - iremos falar com seus pais e resolveremos tudo.
- Juntos? - ela perguntou encostando a testa na minha.
- Juntos - confirmei sorrindo.
Ela voltou a olhar para mim.
- É melhor a gente se levantar - ela falou -, eu já te molhei todo.
Eu me olhei e estava todo molhado, eu a tinha puxado, mas não percebi que ela estava sentada em cima de mim.
- Tá bom - falei rindo. Ela se levantou primeiro e depois eu me levantei.
Ela entrelaçou os dedos nos meus e me puxou para fora do banheiro.
- Está melhor? - Blair perguntou sentada na escada.
- Melhor - Sofh sorriu.
- Ela pode dormir aqui hoje? - eu perguntei.
- Claro que pode - Blair abriu um sorriso -, melhor que não durmo sozinha.
- Obrigada - Sofh agradeceu.
- Nada - ela falou - eu separei uma roupa para você, já que essa está toda molhada. Esta em cima da minha cama.
- Então vou lá, já estou começando a sentir frio - Sofh se virou pra mim, se apoiou em meus ombros e me deu um leve beijo - te vejo amanhã.
Eu a abracei.
- Até amanhã.
Ela subiu as escadas sem olhar para a cara de ninguém.
Quando ela já tinha entrado no quarto de Blair a mesma olhou para mim rindo.
- Que fofos - ela disse fazendo biquinho.
- Obrigado - falei rindo de sua cara.
Contei tudo para ela, tudo que Sofh me contou e até um pouco de como foi bom beija-la, só um pouco. Ela ficou com um sorriso nos lábios e olhou para o chão no final de tudo.
- Fico feliz por vocês, Dan, muito mesmo. E se precisarem de qualquer coisa podem contar comigo.
- Obrigado - falei - É melhor eu ir nessa, tchau.
- Tchau - ela disse se levantando da escada, eu peguei meu celular que estava com duas ligações perdidas e fui para o carro.
Entrei e dirigi o mais rápido possível para casa.
- Estava em falta o chocolate? - Max perguntou me vendo passar pela porta sem nenhuma sacola
- Pior que sim - disse tirando a jaqueta.
- E o que tinha lá então? - minha mãe perguntou quando apareci na cozinha, eu não consegui conter o sorriso.

- Sofia.

0 comentários:

Postar um comentário