domingo, 3 de janeiro de 2016

Capítulo 30 - Lembranças felizes

Capítulo 30
Lembranças felizes
- Blair Montello

Sono, como é bom o sono. Poder relaxar sem se preocupar com mais nada, por enquanto.
Aí uma porcaria, chamada celular, começa a tocar.
Não me atrevi a levantar e verificar o nome da minha próxima vítima.
Continuei a dormir/tentar dormir em minha adorável e confortável cama.
Ontem à noite eu fiquei na pizzaria com meus amigos, quando deu meia noite fomos para as nossas casas, Max ainda ficou um tempo comigo conversando, um tempo, até parece...
Ficamos até às 3h da manhã zoando em frente a minha porta, conversamos tanto que eu terminei dormindo em algum momento e acordei em minha cama. Sorri em pensar que Max me carregou até minha cama.
- OH DEUS – gritei animada demais com a ideia e envergonha demais para não gritar.
O toque de meu celular voltou a tocar, eu levantei furiosa e atendi.
- Alô – disse com raiva.
- Maluca, você só acordou agora?! – Amélia perguntou do outro lado da linha.
- O que você quer ás... – olhei no relógio do celular – oito da manhã? Me perturbar, só pode!
- Cala a boca, hoje é um dia importante tá legal. Eu quero que a gente comece a se arrumar bem cedo...

Desliguei o celular no exato momento que ela disse cedo. O baile só seria às nove da noite e ela queria começar a se arrumar agora! Só podia ser brincadeira e aquelas que não têm graça.
Joguei-me na cama e um segundo depois ouvi minha mãe gritando, aquele tipo de grito com pânico em sua voz.
- QUE FOI? – me levantei gritando.
- Nada – ela disse sorrindo –, vai tomar um banho e desça para tomar seu café, vou te levar para o salão. Amélia está te esperando lá.
- Tá de sacanagem, a senhora apoia essa loucura?
- Claro, e isso não é uma loucura.
- É sim - afirmei balançando a cabeça e sai correndo do quarto – PAI – gritei correndo para o andar de baixo.
- Volta aqui – minha mãe chamou vindo atrás de mim.
- Pai, minha mãe quer me transformar em uma fada de purpurina.
- O QUÊ? – meu pai gritou e eu comecei a rir.
- Bom dia, pai – disse o abraçando.
- Bom dia, senhorita dorminhoca que foi carregada – ele disse levantando uma sobrancelha, dei uma risada forçada e envergonhada.
- Foi mal – me desculpei olhando para meus pés e entrelaçando minhas mãos atrás de meu corpo.
- Eu estou de olho – ele disse e se virou para o banheiro.
- Espera – falei e ele bateu a porta do banheiro – Ferrou! – disse e minha mãe chegou ao meu lado.
- Banho, agora – ela forçou.
- Ôxe – falei subindo os degraus com raiva.
Antes de entrar no banho liguei meu celular e tinha uma mensagem, a abri e vi que era de Max. Meu celular demorou para abrir a mensagem, nela continha um foto, uma foto minha.
Eu estava abraçada com uma jaqueta.
- Eu fico até que bonita dormindo – falei rindo.
Eu estava agarrada a uma jaqueta e já estava deitada em minha cama, eu estava dormindo profundamente. Minha boca estava meio aberta e meus lábios pareciam mais carnudos do que o normal, e minha cara até que era bem angelical.
Eu vi a legenda da foto e dizia ‘Quero mais oportunidades de ver você dormindo, isso agora é o objetivo da minha vida!’
Sorri com essas poucas palavras que bastaram para deixar meu dia feliz e me fornecer energia para começar o dia.

(...)

- Eu quero saber o que você planeja tanto fazer até a hora do baile – exigi de Amélia.
Minha mãe tinha acabado de me deixar no salão de beleza do shopping, eu já estava me sentindo com sono novamente. Aquele cheiro de cabelo com tanto produto estava me deixando tonta, levando ao sono.
- Vamos fazer a unha, o cabelo...
- O corpo todo pra ser especifica – escutei a voz de Stella vindo de trás de mim.
- Quê tu faz aqui? – perguntei curiosa após me virar para vê-la entrando no salão.
- As baixinhas foram me buscar – ela disse apontando para Diana e Sofia que entravam rindo dentro do salão.
- Ah, agora faz sentido – falei vendo Stella revirar os olhos.
- Vamos para a pre...
- Tortura – eu e Stella completamos.
- ..ração, suas chatas! – Amélia encerrou sua frase nos olhando com raiva.
Apareceram cinco mulheres e nos acompanharam até nossas respectivas cadeiras, pelo jeito passaríamos horas sentadas.
- O que a senhorita gostaria de fazer em seu cabelo? – a que se dirigiu a mim me perguntou.
- Nada – sussurrei.
- O quê?
- Ela gostaria de um coque meio folgado com tranças o prendendo, mas sem deixar o cabelo totalmente para trás, deixe um franja para frente, essa parte faça do jeito que achar melhor Mel, sei que vai arrasar – Amélia falou sorrindo.
- Então vamos começar – a mulher, que deveria se chamar Mel, falou sorrindo.
- Ok – disse dando de ombros e a Mel começou a mexer em meu cabelo, primeiro ela lavou e depois secou com aquele secador com um vapor que era a amostra grátis do inferno.
Meu telefone começou a tocar, eu tirei do bolso meu celular e o atendi.
- No momento Blair não pode atender, ela está passando por uma transformação graças a sua amiguinha linda Amélia, obrigada pela atenção – fiz aquele barulhinho irritante da caixa postal.
- Oi, maluca, é a Jenny.
- Como se eu não fosse reconhecer sua voz – falei revirando os olhos.
- Para de revirar os olhos.
- O qu...
- Sim, eu te conheço, sei que estava revirando os olhos – ela falou e bufou – Enfim, te liguei para lhe parabenizar por sua formatura.
- Valeu, senhorita velha – falei rindo enquanto Mel começava a passar a prancha fervendo em meu cabelo.
- Suas piadinhas não me afetam – ela disse e depois rimos – Ei, você não vai me convidar para seu baile, não?!
- Sinto muito, mas já convidei o Dan.
- O irmão do seu namorado? –ela interrogou.
- Sim, ele é do primeiro ano, sendo assim ele precisa ser convidado por alguém do terceiro ano para poder participar da festa. Assim eu o convidei e o Max convidou a namorada dele.
- Entendo, mas amanhã estarei aí para sua formatura – ela falou e eu senti que deveria estar sorrindo.
- Valeu, pelo apoio que sempre me forneceu, durante toda a minha vida, mesmo estando longe de mim.
- Obrigada por aceitar todos os meus conselhos e por nunca desistir de mim.
- Para, se não vou começar a chorar – falei rindo.
- Eu também – ela concordou – Até amanhã.
- Até – falei e logo desliguei.
- Já são 11h – Mel falou – vou apenas terminar seu penteado e te libero para você poder almoçar.
- Ok – olhei de canto para as meninas – Onde iremos almoçar?
- Que tal no Burger King? Estou recheada de cupons de lá – Sofia falou rindo.
- Tá ótimo! Então vamos para lá – Stella concordou abaixando seu livro que tampava sua cara.
- Perfeito – Diana concordou.
- Aí, a Amélia está dormindo? – perguntei baixinho.
- Ela sempre dorme – a moça que estava fazendo seu cabelo respondeu – Acho que já esta acostumada com as pessoas mexendo em seu cabelo.
- Cruzes, já esta acostumada à tortura – falei.
- Maneiro – Stella falou com um sorrisinho e voltou a ler seu livro.
- Eu tô animada – Diana disse mordendo os lábios.
- Por quê? – perguntei confusa.
- Vai ser a primeira festa que eu e o Jake vamos como namorados sabe, festa com o pessoal da escola e tal – ela disse enchendo as bochechas de ar devagar e depois soltando de uma vez só.
- Eu também – parei para pensar -, vai ser a primeira VEZ QUE EU E Max vamos para uma festa da escola como namorados oficiais.
- Também – Sofia disse rindo.
- Isso parece série de adolescente – falei entre risos –, a gente realmente tá se preocupando com isso, tipo, somos namoradas de caras maneiros que fazem nosso bem e eu não me importo nem um pouco com o que as pessoas vão pensar da gente.
- Você tem razão – Sofia falou sorrindo.
- Eu não estou preocupada com o que os outros vão pensar, mas o Jake era o garoto popular e eu só sou a lerda que não conseguiu passar para o terceiro ano.
- Pare de se diminuir garota, ele te escolheu – Stella falou abaixando o livro novamente.
- E ele gosta de você por ser você – falei sorrindo gentilmente – Só o que importa é o que vocês sentem um pelo outro.
- Vocês tem total razão – ela disse e tampou o rosto – Sou louca por ele!
- Onw – Amélia falou com uma carinha fofa.
- Ô coisa, tu estava dormindo – falei assustada.
- Estava – ela disse mostrando a língua pra mim.
- Terminei – Mel falou com um sorriso e colocando as mãos na cintura – Estou orgulhosa do meu trabalho – ela disse sorrindo e correu, voltou com um espelho em mãos – Olhe – ela disse pulando.
Eu olhei e meu cabelo, depois de horas de hidratação, ela finalmente tinha acabado o penteado, ele se resumia a duas tranças saindo das extremidades do meu cabelo, elas se entrelaçavam na parte de trás da minha cabeça, se envolvendo e formando um coque, parecendo que tinham varias tranças envolvidas. Era minha cara, simples e perfeito.
- Eu amei –falei com os olhos brilhando -Tá lindo, Mel!
- Fico feliz que tenha gostado. –ela disse vitoriosa.
- Acabei também – a moça que fazia o cabelo de Amélia disse sorrindo com aquela cara de ‘Esse cabelo arrasa’.
O cabelo de Amélia estava extremamente recheado de cachos, tinha um laço complico formado com fios do seu próprio cabelo na parte de trás de sua cabeça. Sua franja estava para trás, Amélia estava delicada e maravilhosa.
- Está perfeito, Liza – ela disse abraçando a mulher.
- Finalmente – Stella disse se levantando e olhou o cabelo – UAU
O cabelo de Stella tinha uma armação no topo de sua cabeça, deixando o rabo de cavalo mais para cima, com leves cachos caindo em suas costas. Sua franja estava dividida ao meu com fios longos rodeando seu rosto.
- Tá gata – Amélia falou.
- Sempre sou gata, mas valeu pelo cabelo. – ela agradeceu a mulher que sorriu.
- Combinou com você – falei rindo e Diana e Sofia se levantaram.
- Está muito lindo – Diana falou sorrindo – Foi assim mesmo que queria. – ela comemorou.
Seu cabelo por já ser ondulado deu um aspecto mais atraente ao penteado, tinha presilhas o prendendo de lado, com seu cabelo todo sendo jogado por cima de seu ombro esquerdo.
- Eu também, a Amélia tinha razão, vocês arrasam com os penteados – Sofia concordou após ver seu cabelo. A cabelereira parecia ter feito um macramê no cabelo da Sofia, ele estava todo entrelaçado e tudo se encaixava visualmente, estava fantástico!  
- Obrigada – a mulher que fez o penteado de Sofia agradeceu.
- Vamos voltar daqui a pouco para terminar – Amélia explicou – Enquanto isso deixe tudo na minha conta, até logo.
- Até - Mel falou.
- Estou morrendo de fome – Stella disse rangendo os dentes.
- Por que está rangendo os dentes?
- Medo de morder vocês.
- Continua rangendo os dentes – Diana mandou.
- E aí, como estão se sentindo? – Sofia perguntou.
- Sobre? – perguntei quando entramos no Burger King.
- Vocês são as formandas, como estão se sentido? – Diana perguntou colocando sua mão fechada perto de minha boca, encenando um microfone.
Segurei sua mão e comecei.
- É uma honra me formar com vocês, eu formei amigos e grandes mestres que nunca esquecerei – falei fingindo secar uma lágrima.
- Mentira, cada professor chato – Amélia disse fazendo Sofia explodir em risadas.
- Verdade – Stella disse cruzando os braços.
- Meninas, em uma entrevista têm que contar algumas mentiras para não decepcionar o povinho – esclareci.
- E os velhos com nome de velho – Stella relembrou me fazendo rir.
Comemos bem rápido para poder voltar logo e acabar com a ‘’Transformação forçada por Amélia’’. Chegamos ao salão e já era uma hora da tarde.
- Aí meu Deus – Amélia se desesperou – Será que vai dar tempo?
- Se não der tempo acabo contigo e ainda vou rir, por que você me acordou as oito – Stella falou irritada.
- Vai dar tempo, não se preocupe – assegurou Sofia.
- Então vamos – falei e voltamos aos esmagamentos da transformação.

(...)

- Nos vemos no baile – Sofia falou quando eu sai de seu carro em direção a minha casa.
- Ok – falei sorrindo.
Entrei e ouvi os flashes das câmeras e fechei os olhos.
- O QUE É ISSO? – perguntei gritando.
- Suas fotos antes de colocar aquele vestido lindo – minha mãe disse rindo.
- Tá muito linda, minha filhinha – eu abri os olhos e vi a mão do meu pai vindo para minha cabeça.
- NÃO, POR FAVOR – gritei antes de sua mão vir para minha cabeça – Essa coisa aqui demorou quase duas horas para ficar pronto, então tome cuidado.
- Ok, já parei – ele disse se afastando nas pontas dos pés.
- Não é pra tanto, querido – minha mãe falou entre risos.
- Exagerado como sempre – falei subindo a escada – Irei tomar um banho cuidadoso na banheira e depois colocarei meu vestido e aí e...
- Você desce para sessão de fotos – meu pai falou e eu me assustei – Quê?
- Sessão de fotos?
- Ideia da sua mãe – ele falou apontando para ela.
- Pelo menos uma vez na vida, né! – minha mãe falou sorrindo e eu terminei de subir a escada rindo.
Tomei meu banho com cuidado para não bagunçar o cabelo e não borrar minha maquiagem, o tempo frio me ajudou a não sentir tanto nervoso por estar maquiada e não molhar meu cabelo.
Tirei meu vestido de dentro da capa, como meu pai chamava, protetora de poeira e o admirei por alguns minutos. Ele era completamente vermelho, com algumas pregas ao centro, o que o deixava bem solto e leve nas laterais, apenas suas alças que não eram completamente vermelhas, pois eram recheadas de pedras brilhantes combinando com o cinto que tinha em minha cintura, ele não era completamente feito de pedras, mas havia o suficiente para deixa-lo belíssimo.
Logo que acabei de me vestir minha mãe entrou em meu quarto sorrindo.
- Você está linda – ela falou sorridente, aquele sorriso não de alegria, mas o sorriso de mãe, o de orgulho.
- Não vai chorar, né?!
- Não sou dessas. – ela riu – Achei uma handbag para você levar seu celular – ela falou me entregando aquelas bolsinhas de mão, ela era vermelha com um brilho no fecho.
- Vou estar com o Max, não preciso disso...
- Vai levar sim – ela exigiu me interrompendo.
- Tá – peguei a bolsa após ter acabado de colocar meu sapato prateado, dava um bom contraste no meu vestido vermelho.
- Já está pronta?
- Ainda não – falei indo até minha mesinha e pegando meu colar de ouro com a pedrinha que Max tinha pegado para mim na gruta. Ela ainda brilhava como no primeiro dia e realmente parecia uma joia rara. A coloquei em meu pescoço. Virei-me para minha mãe e a vi sorrindo.
- Agora está realmente perfeita – ela disse e eu a abracei.
- Obrigada – coloquei meu celular na bolsa e desci as escadas com minha mãe.
Meu pai começou a tirar fotos enquanto eu descia a escada e eu comecei a fazer poses loucas com a minha mãe, eu amava aquela sensação de ter minha família ao meu lado, eu sabia que era sortuda e eu aproveitava isso a todo o instante.
- Agora vocês – falei arrancando a câmera das mãos do meu pai e começando a tirar fotos dele com minha mãe e de nós três, comecei a rir com as caretas que meu pai fazia. Eu iria sentir saudades disso tudo.
A campainha tocou e meu coração acelerou até demais, parecia que eu estava indo para uma prova muito importante, aquelas que você sente dores no estomago mesmo depois de terminada. Eu senti foi uma dor no coração, um desespero imenso.
Minha mãe foi abrir a porta enquanto meu pai chegou perto de mim.
- Eu conheço essa carinha – ele falou me levando para a sala e deixando minha mãe abrir a porta.
- Eu acho que fiquei nervosa – falei rindo.
- Eu expulso ele daqui em dois segundos – ele disse com um olhar sonhador.
- Pai – o repreendi.
- Ok, mas você pode ficar calma, qualquer coisa me ligue.
- Pai, eu só fiquei nervosa por que eu quero muito ir nesse baile, com o meu namorado – falei sorrindo.
- Eu sei. – ele me abraçou – Minha filha já esta uma adulta e ao mesmo tempo em que fico feliz, fico triste.
- Pai – o abracei quase chorando.
- Eu te amo, meu amor – ele beijou o topo de minha cabeça – infelizmente eu não estarei aqui para sempre, mas você sabe que vou estar aqui para você a qualquer momento.
- Obrigada, pai – disse beijando sua bochecha.
- Querida – minha mãe chamou e eu me virei para encontra-la quase chorando.
- Também te amo, mãe – falei a abraçando.
- Vai lá se divertir – ela disse me empurrando para a porta.
E lá estava o garoto mais lindo que já tinha visto, Stella estava certa ele era o DNA perfeito, mas não apenas pela sua beleza. Eu teria me apaixonado por ele mesmo ele sendo o cara mais feio da terra, ele era meu e eu era dele, não importando as circunstâncias.
- Oi - ele disse ofegante .
- Olá – eu disse sorrindo para o garoto com Smoking preto, ele estava sorrindo e com os olhos brilhantes quando parou os olhos em meu colocar sorriu mais ainda.
- Tem certeza que quer ir com esse cordão, Bela adormecida?
Eu sorri com sua comparação a noite passada.
- Claro que tenho, é um dos meus cordões favoritos- falei segurando a pedrinha que parecia estar mais brilhante agora.
- Que bom - ele falou sorrindo.
- Eu quero uma foto desse casal - minha mãe disse segurando a câmera.
- Mãe, na entrada do baile vão tirar uma foto nossa.
- Mas eu quero uma foto que eu tirei de vocês. Anda, pare de reclamar.
Max riu e me puxou pela cintura.
- Eu também quero fotos, então pare de reclamar - ele sussurrou em meu ouvido.
- Você já tem - eu falei rindo e olhando para minha mãe enquanto ela ajeitava a câmera e meu pai ria dela.
- Verdade - ele disse e deu um sorriso - E falando naquela foto, se você quiser, pode dormir novamente ao meu lado, eu adoraria te carregar novamente.
Agradeci mentalmente a Amélia por fazer a maquiadora colocar blush em mim, assim eu não iria parecer tão vermelha como fiquei.
- Aquilo é verdade? - perguntei ao ouvir meu pai dando as instruções para minha mãe tirar a foto.
- Sobre? - ele perguntou olhando para meus pais.
- Você quer mesmo a oportunidade de me ver dormindo?
- Eu lhe disse que não me importo se você dormir ao meu lado novamente.
- Não foi isso que eu quis dizer - falei e ele me olhou com um sorriso de canto, ele foi até meu ouvido e sussurrou.
- Um dia, senhorita Montello, você vai ter que aprender a assinar seu nome com o Jerson no final - ele falou e se afastou quando ouvimos minha mãe falar 'Agora vai'.
Viramo-nos e sorrimos para os flashes que saiam da câmera.
- Agora estamos liberados? - perguntei para minha mãe.
- Agora sim, divirtam-se.
- Juízo - meu pai falou olhando diretamente para Max.
- Pode deixar - Max falou e abriu a porta para mim e saímos rapidamente.
- Preparado para o ba... - fui interrompida pelos lábios de Max que se cravaram nos meus, mas não como uma espada no peito, mas sim como uma coroa se crava na cabeça de um rei para indicar que aquele homem tem o poder do reino. Os lábios de Max eram daquele jeito, dominadores, e ele me tinha da mesma forma que eu o tinha.
- Aqui eu posso falar. - ele falou após o beijo - Você esta maravilhosa! - ele disse segurando minha cintura.
- Ai para, assim você me deixa encabulada - falei me balançando o fazendo rir - Você também está lindo.
- Então vamos para o baile, quero dançar – ele disse rindo - Para entrar no clima- ele disse quando entramos no carro, ele colocou uma música para tocar, era a música do Paramore que eu amava. A que eu tinha dito que o guitarrista tinha escrito para mim.
- Ah – ele disse enquanto dava partida no carro –, avise para o guitarrista do Paramore que não gosto de outros caras, principalmente famosos, fazendo dedicatórias para minha namorada.
- Irei avisar, mas acho que ele não vai desistir – falei entre risos.
- Então vamos ter um fight, por que eu também não sou de desistir – ele disse e eu beijei sua bochecha.
- Uma marca de batom bem bonita – falei rindo e já limpando sua bochecha enquanto o bobão ria.
Demoramos um pouco para chegar ao baile, mas conseguimos chegar. Encontramos Sofia e Dan na porta do baile nos esperando.
- Arrasando corações – falei para Sofia que estava muito linda.
Sofia estava com um vestido era feito de seda, assim como o meu, mas o seu era preso a um cordão de joias preciosas em seu pescoço. E assim como o meu ele tinha um cinto, porém o seu esbanjava joias e seu vestido era rosa bebê, o que combinava perfeitamente com Sofia, tanto visualmente quanto pela sua personalidade.
- Arrasando o coração – Dan corrigiu segurando Sofia pela cintura me fazendo rir.
- Vamos entrar? – Max perguntou saindo do carro.
- Claro – concordei e entrelacei meus dedos nos de Max, ele sorri para mim e entramos. Mostramos nossos convites e entramos – Uau – falei sorrindo.
- Ficou muito bonito essa decoração – Sofia disse e eu concordei.
A decoração era bem em estilo de balada, mas com algumas partes com lamparinas e um pequeno chafariz no centro.
- Combinaram muito bem as coisas, ficou bem maneiro mesmo – eu falei observando tudo.
- Vocês chegaram – ouvia voz de Diana e me virei para vê-la desfilando em seu vestido lindíssimo. Em minha opinião era um dos vestidos mais discretos, ele era feito de Chiffon, bem encorpado no seu busto e de um roxo bem forte. Ele só tinha apenas uma alça, o que dava o maior destaque para seu corpo.
- Oi, pessoas - ela disse sorrindo.
- Olá - Jake nos cumprimentou ao chegar com dois copos de bebida para ele e Diana
- Vocês viram a Stella ou Amélia? – perguntei.
- Na verdade eu vi as duas - Jake falou.
- Verdade - Diana confirmou - A Stella esta na mesa com o David e Amélia na pista de dança.
- Para que lado fica a pista - Dan perguntou e Diana apontou - Valeu - ele agradeceu e saiu em disparada com Sofia.
- Onde ficam as mesa? – foi minha vez de perguntar.
- Para lá - Diana apontou para a direção contraria a pista.
- Nos vemos depois então - falei e eu e Max fomos para a mesa.
- Que tal depois irmos tirar a foto e depois para a pista de dança? - Max perguntou perto do meu ouvido, já que a música era muito alta.
- Não sou fã de dançar e nem sou boa dançando – avisei.
- E daí? Nada precisa ser perfeito, só preciso de uma noite inesquecível, e ao seu lado sempre é inesquecível - ele falou me dando um beijo rápido.
- Isso tudo é premeditado para eu não recusar, né?! - perguntei estreitando os olhos.
- Óbvio - ele falou sorrindo.
Achamos Stella e David rindo na multidão de mesas, o engraçado é que o baile estava tão cheio que as mesas, a pista de dança e todo o restante do espaço estava preenchido por pessoas.
- Olha a madame aí - falei ao chegar próximo da mesa e largar a bolsa lá.
- Está linda - ela elogiou.
- Você também- falei sorrindo.
Stella usava um vestido totalmente colado ao corpo, era preto – como de costume para a Stella-, mas continha pedras negras formando vários desenhos em torno de seu corpo.
- Estavam rindo do quê? – perguntei.
- De como o Carter ficou com cara de bocó ao ver a Amélia totalmente arrumada - David falou rindo.
- Vocês estavam juntos? - Max perguntou.
- Sim, o Carter deixou a Lily com a minha mãe - David explicou - Hoje a senhora Dolts não pôde cuidar dela e os pais da Amélia saíram, então ela ficou com a minha mãe.
- Pensei que ela ficaria com a dona Alexandra. - Stella falou se referindo a avó de Amélia.
- Ela já foi para a outra casa dela, preparar tudo, já que eles vão ir morar por lá.
- É verdade – afirmei recordando da decisão de Carter.
- Que bom que Carter decidiu ir - Max falou.
- Sim – concordei.
- Mas como foi a cara dele? - Max perguntou voltando ao assunto principal.
- Imagina um camelo abrindo a boca - David falou.
- Foi muito engraçado. – Max disse gargalhando da comparação.
- Por que sempre associamos coisas engraçadas aos animais? – perguntei.
- Por que eles são divos e não se importam com o que os outros pensam e continuam fazendo as mesmas coisas que sempre fizeram.
- Stella - a chamei.
- Oi.
- Você falou divo - relatei assustada.
- Isso é culpa da Amélia, é hoje que eu a mato - ela se levantou e David foi atrás a segurando e eu fiquei rindo com o Max.
- Vamos logo tirar as fotos, não quero perder a morte de Amélia - Max disse enquanto ria.
- Muito menos eu.
Quando chegamos um casal tinha acabado de sair.
- Quantas fotos vão querer? - o homem com a câmera perguntou.
- Quatro - Max respondeu.
- Então, vamos lá.
Ficamos de frente para uma cortina em dourado, primeiro tiramos uma foto normal sorrindo, depois uma fazendo caretas, a penúltima nos abraçamos e eu levantei a perna e na última Max me surpreendeu com um beijo, como sempre me surpreendendo!
- Você pode avisar, tá! - eu falei para ele me referindo ao beijo.
- Para quê? Sua cara vai ser hilariante na foto - ele falou rindo e eu o empurrei.
- Idiota - falei rindo.
Verificamos o dia em que poderíamos pegar as fotos do baile e partimos para a pista de dança. Logo vi a beldade da Amélia dançando ao lado de Carter e até a Stella e o David estavam dançando.
Com toda certeza, o vestido de Amélia era o mais trabalhado entre nós. Ele era turquesa, com um leve decote em V que não era tão visível graças a uma renda transparente que era coberta por pequenas pedras preciosas. O que era o mais lindo e trabalhoso no vestido, eram as pedras preciosas, desenhos de flores, suas raízes, era uma chuva de pedras preciosas em seu vestido.
- Vem – Max falou ao meu ouvido e nos colamos. Uma música antiga, mas que eu amava, começou a tocar e começamos a dançar.
Ele me girou algumas vezes enquanto eu sorria e fechava os olhos às vezes.
- A pessoa dança perfeitamente bem e ainda tem a coragem de dizer que não dança bem – Max falou para mim.
- Me deixa ser humilde, tá legal – falei virando o rosto e logo rindo.
A música mudou para uma agitada e Amélia veio até mim pulando e nos puxando.
- Vem, vai ser nossa música – ela disse quando já estávamos todos em uma roda.
- Iremos invocar algum ser por acaso? – Stella perguntou.
- Ou cantar ciranda cirandinha – Jake falou ao lado de Diana, não deu pra evitar a explosão de risos.
- Vamos apenas dançar e curtir a vida, que o próximo ano tenhamos mais loucuras.
- Mais felicidade – completei.
- Mais amor – Sofia falou e fizemos o corinho do ‘onw’.
- Mais amigos – Max disse e comemoramos.
- E QUE TENHAMOS SEMPRE ESSA LEMBRAÇA – Stella gritou.
- SEMPRE – gritamos juntos e começamos a pular e a gritar.

- Felizes para sempre – Max falou em meu ouvido.

0 comentários:

Postar um comentário